jump to navigation

Texto 4 – De 12 até 18/05/2008

Últimas considerações sobre as Teorias da Aprendizagem

De acordo com Cibelle Celestino Silva, professora da USP, teoria é uma construção humana para interpretar sistematicamente uma área de conhecimento. São construídas para prever e explicar fenômenos; são constituídas de conceitos e princípios; e estão subordinadas aos sistemas de valores ou visões de mundo, que mudam com o tempo e com a cultura. Portanto, teorias não são eternas.

As teorias sobre a aprendizagem se destinam a explicar como ocorre o condicionamento, a mudança de comportamento, a aquisição de informação, o aumento de conhecimento, a resolução de problemas, a construção de novos significados, a revisão de modelos mentais, etc. Ou seja, o conceito de aprendizagem tem vários significados e que não são compartilhados entre os teóricos da área.

Essas teorias podem ser classificadas em:

  1. Comportamentalista (Pavlov, Skinner e outros);
  2. Cognitiva (Piaget, Vygotsky, Johnson-Laird e outros);
  3. Afetiva (Rogers, Novak);
  4. Psicomotora (Gestalt, Lewin e outros).

Até o momento abordamos somente a corrente Cognitiva.(*)

Dessas teorias, de acordo com a Faculdade de Mandragon (Espanha), é possível elencar os seguintes princípios psicológicos básicos da aprendizagem:

1. Lei da intensidade: com uma experiência forte e dramática se aprende melhor que uma experiência débil;

2. Lei do efeito: toda pessoa tende a repetir as condutas satisfatórias e a evitar as desagradáveis;

3. Lei da prioridade: as primeiras impressões tendem a ser mais duradouras;

4. Lei da transferência: uma determinada aprendizagem pode ser extrapolada ou aplicada a novas aprendizagens análogas ou parecidas;

5. Lei da novidade: todo acontecimento ou conhecimento novo e insólito se aprende melhor que o que seja rotineiro e aborrecido;

6. Lei da resistência à mudança: as aprendizagens que implicam mudanças na organização da própria personalidade são percebidas como ameaçadores e difíceis de consolidar;

7. Lei da pluralidade: a aprendizagem é mais consistente, ampla e duradoura quanto mais sentidos (vista, ouvido, tato) estejam envolvidos no processo de aprender;

8. Lei do exercício: quanto mais se pratica e repete o aprendido, mais se enraíza o conteúdo da aprendizagem;

9. Lei do desuso: uma aprendizagem não evocada ou não utilizada em muito tempo pode chegar à extinção;

10. A motivação: seria ideal que o próprio sujeito marcasse seus objetivos de aprendizagem que respondessem às suas necessidades;

11. A auto-estima: existe uma maior assimilação quando se tem um elevado conceito das próprias capacidades;

12. A participação: a participação ativa no processo de aprendizagem redunda em uma assimilação mais rápida e duradoura.

Do ponto de vista de aprendiz neste Curso de Extensão e baseado nos princípios psicológicos citados, quais são suas observações em relação:

a) A este curso de extensão até o momento;

b) Ao seu desempenho.

(*) Para aqueles que desejam aprofundar seus conhecimentos sobre as teorias sugerimos a leitura da dissertação de mestrado de Valdete Teixeira da Silva, intitulada “Módulo pedagógico para um ambiente hipermídia de aprendizagem”, disponível em http://www.eps.ufsc.br/diss2000/valdete/. Além disso, se tiverem oportunidade, leiam os trabalhos dos seguintes autores: Dewey, Freinet, Gagné, Brunner, Ausubel, Brousseau e Paulo Freire.

Comentários»

1. Eunice Corrêa Sanches Belloti - Maio 13, 2008

O texto dessa semana é bastante interessante, muito simples e didático. Eu particularmente me identifico com a teoria de Rogers, embora não seja muito utilizada no Brasil é de grande importância para as pessoas, alunos, professores carentes ao lidar com seus processos afetivos e de relacionamentos.
Considero o princípio psicológico da motivação o mais essencial para o desenvolvimento da aprendizagem. Não podemos esquecer que a motivação tem seus aspectos intrínsecos e extrínsecos, o professor pode e deve colaborar com a motivação da aprendizagem de seus alunos

2. Elaine Pasqualini - Maio 14, 2008

Quanto ao curso até o momento acho de fundamental importância, pois podemos discutir com o grupo questões relacionadas ao ensino e aprendizagem e utilizar na prática as teorias existentes.
Porém, acho que o prazo de leitura e comentários dos textos deveria ser maior. Fui viajar, fiquei fora três dias e não pude participar dos comentários do penúltimo texto.

Quanto aos textos já discutidos, é importante observar o quanto uma atividade real, uma situação-problema ou uma experiência na prática é importante aos alunos, pois contribui para uma aprendizagem significativa e não uma aprendizagem mecânica.

3. DONIZETI APARECIDO MELLO - Maio 14, 2008

Posso dizer que o texto desta semana é muito interessante e importante para nossa reflexão quanto ao nosso próprio sistema de observar e adquirir novas informações, ou seja, com ele pude perceber o quanto é importante as novas formas de aprendizagens. Considero que a lei da motivação é fundamental para todo indivíduo e coloco ainda que me senti motivado a responder os textos devido a liberdade de participação que nos foi concedida, então, “Motivação e Participação” são fundamentais.

4. Sergio Castilho - Maio 18, 2008

Neste texto vejo que não existe apenas um princípio básico de aprendizagem, portanto temos que buscar meios de explorar estes princípios para facilitar o aprendizado. Por outro lado, prender atenção dos alunos em sala de aula não está diretamente correlacionado com estes princípios e têm se tornado cada vez mais difícil, para prender a atenção dos mesmos, é necessário que o assunto seja atual e estejam dentro do universo de interesse de cada um deles.
O problema é trocar o termo cada um deles por todos eles.

Em relação a este curso,concordo com a Elaine em relação aos prazos, talvez uns dias a mais pudesse gerar mais troca de informação ou discussões.
Creio que deve existir técnicas para levar o aluno a participar mais nas aulas, a minha sugestão é que alguns texto tenham este enfoque mais à frete.
Quanto ao meu desempenho, tenho procurado me policiar mais, como deve ser feito em relação a todo curso a distância.

5. Maurício Gonçalves Saliba - Maio 18, 2008

Não conhecia todos os princípios psicológicos básicos da aprendizagem. Acredito que é necessário pensarmos nesse conjunto. Costumamos valorizar a motivação como fator primordial da educação, mas acredito que precisamos pensa-la como parte de um conjunto de fatores. Por exemplo, não adianta termos alunos motivados se sobre ele incidir a lei da resistência à mudança, ou da auto-estima. Dessa forma, precisamos sempre pensar na educação como uma forma de harmonizar todas as leis.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: